Anna
Bella
Geiger


CIRCA
Projeto Respiração
4ª Edição
18 de maio a 16 de julho de 2006

INDAGAÇÕES SOBRE A MEMÓRIA DO TEMPO

Poucos artistas são capazes de aceitar o desafio do Projeto Respiração. Quando digo aceitar o desafio quero dizer sentir-se cômodo e à vontade para transitar num ambiente tão fortemente impregnado pela presença de uma personalidade marcante como a de Eva Klabin – ao se presentificar neste espaço – e de uma coleção que atravessa 4 500 anos de história da arte. Há que se ter não só capacidade de aceitação como também perceber a si e a sua obra como banhados pelas diversas camadas de tempo capazes de estarem contidas nesta ambiência. Principalmente se este artista, como Anna Bella Geiger, vier de uma formação da Arte Moderna, que tem como um dos pilares centrais a hipérbole que se faz sobre o Neo-classicismo e os cânones das Belas Artes, projetando um território de tábula rasa a partir do qual o modernismo reinventa a sua própria história.
A estratégia moderna implica numa idéia de espaço e tempo desabitado capaz de absorver a proposta do artista como se antes ou depois dele nada houvesse. Pensar o espaço e o tempo como vazios plenos é uma idéia do Pós-moderno positivo e não niilista. Pensar o espaço desta forma implica em percebê-lo como tempo espacializado. Pensar o tempo desta forma implica em percebê-lo como espaço temporalizado. Anna Bella Geiger percebe a abrangência e a importância deste conteúdo. Por isso, ao defrontar-se com a proposta do Projeto Respiração, a artista intuiu que poderia trazer ao centro da cena deste ambiente tão impregnado por camadas de tempo, a idéia de como construímos a memória do tempo: a Sala Renascença transformou-se em um sítio arqueológico.
Um sítio arqueológico é um espaço construído por superposições de camadas de resíduos materiais de diversas culturas pertencentes a diferentes períodos da história da humanidade. Da mesma forma, o universo reunido por Eva Klabin, é o resultado de uma coleção de obras de diferentes procedências – no tempo e no espaço – da história da cultura e da arte. A sensibilidade plástica de Anna Bella Geiger percebe as características do acervo da Fundação Eva Klabin e requalifica a abrangência significativa desse tipo de colecionismo ao nomear a instalação de CIRCA. Ao trabalhar com a idéia de circa, Anna Bella Geiger opta pelo sentido de imprecisão contido no significado desta marcação de tempo, que estabelece uma possibilidade de datação ampla que circunscreve o objeto no tempo, sem que o seu conteúdo seja corrompido. Em outras palavras, podemos não saber com precisão se uma obra de arte foi realizada em uma determinada data específica, mas reconhecemos nela um conteúdo que a faz compartilhar de um sentido que indica o momento da história da arte em que ela foi realizada. Esta maneira que “circa” tem de fazer emergir e circunscrever um objeto como resíduo de um tempo-idéia é o que interessa à artista e o que inaugura um território possível de ser preciso na imprecisão, ao mesmo tempo em que questiona a imprecisão do que se quer preciso.
Ao horizontalizar o tempo (circa) e verticalizar o espaço (sítio arqueológico) Anna Bella Geiger nos aproxima da percepção contemporânea de tempo e de espaço liberado pela era digital. Podemos surpreender este mesmo movimento quando da musealização de uma casa, que permite perceber as obras de arte em um contexto em que elas se relacionam entre si a partir de uma ordenação determinada pela singularidade de quem as reuniu. Ou seja, na casa-museu de Eva Klabin as obras respeitam uma ordenação determinada pela colecionadora, que decidiu agrupar, em um mesmo espaço, obras que pertencem a diferentes tempos e que procedem de diferentes culturas e regiões. Esta imprecisão tempo-espacial, que rompe a cronologia e a geografia esperadas, reveste e impregna os objetos desta coleção da precisão do sentido estabelecido pela singularidade da opção da colecionadora em apresentá-los desta forma. A imprecisão, neste caso, torna-se guardiã do sentido.
Este é o fulcro da questão levantada por Anna Bella Geiger. Circa é uma maneira objetiva de lidar com a “imprecisão” do tempo, que é subjetivo na sua percepção, mas que é duro e objetivamente implacável (preciso) na marcação dos corpos. Circa é uma instância ou uma configuração paradoxal em que realidade e irrealidade se aproximam, fazendo com que uma duvide da outra ao mesmo tempo em que uma confirma a outra. Sabemos que o tempo nos precede e nos sucede – antes do nosso nascimento e após a nossa morte -, mas sabemos também que ele nos acompanha ao longo da vida e que o percebemos através das mudanças físicas de nosso corpo, que se deixa abalar por ele. Nosso corpo, enquanto “geografia física”, experimenta a realidade precisa do tempo. Nosso corpo, enquanto feixe temporal, experimenta, através da memória, o tempo como realidade imprecisa porque é a forma que temos como acessá-lo para além de nosso corpo. O tempo que nos precede e nos antecede – a duração ou o eterno – é absolutamente real porque ele é constituinte de nossa condição real, que é radicalmente temporal. Mas só conseguimos nos aproximar deste tempo atemporal, que nos constitui, através do “circa” porque só é possível alcançá-lo, na sua vastidão, a partir de fragmentos de tempo. Então, jamais temos acesso ao tempo como um todo, mas aos pedaços.
Assim como os sítios arqueológicos são indícios materiais que nos permitem aproximar de civilizações que sabemos muito mais amplas do que as ruínas que restaram; a “imprecisão” contida no circa, que é um fragmento de tempo, limitado e circunscrito, nos permite aproximar com maior precisão da massa de tempo atemporal. O circa, tal como desvelado por Anna Bella Geiger e usando suas palavras, é indício de que “na reconstituição do tempo os fatos podem ser imprecisos, mas seus conteúdos são precisos”. Anna também percebe o movimento da história da arte a partir desta mesma estrutura. Para ela, a precisão está no conteúdo que gerou os fatos e não nos fatos em si. Este deslocamento cria as condições para que ela aceite o desafio de inserir sua obra no contexto da coleção reunida por Eva Klabin e contribui com um novo olhar sobre o acervo, na medida em que indica – confirmando sua vocação original – ser um território onde os vários tempos da história da arte se cruzam.

Marcio Doctors
Curador

Fotografia: Vicente de Mello

PRÓXIMOS EVENTOS
No events found
REDES SOCIAIS
Endereço
Av. Epitácio Pessoa, 2.480
Lagoa - CEP: 22471-001
Tels: 3202-8551 | 3202-8550
RECEBA NOSSA PROGRAMAÇÃO
PATROCÍNIO