Projeto Respiração

NELSON LEIRNER | Nossa casa, minha vida Voltar

19ª edição - 13 de setembro de 2014 a 25 de janeiro de 2015

Galeria de fotos

Nossa casa, minha vida

A história da origem da boneca russa matrioshka, aquela que sai uma de dentro da outra em ordem decrescente, remonta ao final do século XIX, e vou contá-la porque me ajudou a perceber a proposta da intervenção de Nelson Leirner no Projeto Respiração. Reza a tradição que ela foi inventada por um torneiro artesão que tinha o hábito de esculpir bonecas em pedaços de madeira e, um dia, fez uma tão linda, que não quis separar-se dela e levou-a para casa, colocando-a ao seu lado, sobre o criado-mudo. Antes de dormir sempre perguntava a ela se ela estava feliz e ela respondia que sim. Um dia, ao fazer a pergunta, ela respondeu que não e que precisava de uma filha para sentir-se feliz. O artesão então decidiu presenteá-la com uma filha. Serrou-a no meio, criou um oco, e esculpiu na madeira retirada outra boneca e a colocou no seu interior. Da mesma forma, todas as noites, perguntava às matrioshkas se estavam felizes e, um dia, a menor disse que não e que para ficar feliz precisava de uma filha. Dessa forma o artesão foi esculpindo sucessivamente matrioshkas menores que se encaixavam uma dentro da outra até chegar à sexta, que lhe deu essa mesma resposta.  O artesão, então, teve uma ideia para pôr um fim nessa situação chata. Na sétima, pintou um bigode.
Na medida em que fui acompanhando o esvaziamento da Sala Inglesa da Fundação Eva Klabin, onde Nelson Leirner decidiu criar um apartamento modelo do minha casa, minha vida, e a sala foi se transformando, de um ambiente luxuoso, em uma quitinete de sala, quarto, banheiro e cozinha para uma família de pai, mãe e dois filhos, completamente equipado, fui tendo a percepção - para além do óbvio da situação política - de que a residência de Eva Klabin estava gerando em seu interior outra moradia.
No início, quando Nelson Leirner lançou a ideia de fazer uma intervenção que seria um apartamento popular, minha primeira reação foi a de humor. Achei engraçado e irônico. Essas são duas características marcantes de sua obra e mais, como bem  lembra Agnaldo Farias em seu belíssimo ensaio "Uma volta ao mundo de Nelson Leirner", o artista filia-se a uma tradição brasileira de ironia e humor sério que remonta a Flávio de Carvalho e Oswald de Andrade.
Humor e ironia, ambos no sentido mais amplo, de pôr em xeque as situações que lhe são apresentadas ao desarmá-las ou pela surpresa que o humor desencadeia ou ainda pela crítica irônica ao questionar os padrões vigentes da política, da arte e dos acordos sociais e econômicos. Essa foi a estratégia adotada pelo artista ao gerar, no interior da casa-museu de Eva Klabin, outra residência, só que popular. Fica de imediato transparente a intenção de colocar em questão as relações de classe pelo contraste que gera, assim como questionar os limites da proposta do Projeto Respiração e de forma ampliada o sistema da arte.
A obra de Leirner caracteriza-se pelo questionamento bem-humorado, ousado e cáustico dos padrões vigentes por meio de práticas que desarmam as situações e nos surpreendem - da mesma forma que o artesão russo - porque a sua tolerância tem o limite da reversão. O bigode pintado na sétima matrioshka estanca uma sucessão repetitiva de fatos e inaugura uma nova genealogia, explicitando outro conteúdo possível, que pode travar um processo, mas que refunda a mesma ação: esculpir uma boneca ao contrário; de bigode. Da mesma forma, não interessou ao artista relacionar-se com a coleção, com a história de vida de Eva Klabin ou com qualquer outro elemento que pudesse remeter às outras experiências do Projeto Respiração, mas, ao mesmo tempo, ao querer desviar-se da proposta, refundou o ato inaugural de Eva Klabin, que caracteriza a fundação que legou à cidade do Rio de Janeiro: o fato de ser uma casa. Nelson Leirner, ao querer diferenciar-se o mais que pôde da proposta original de Eva Klabin, praticou o mesmo ato que ela, fez uma casa, repetiu a mesma atitude, só que de maneira diferente: a lei nietszchiana do eterno retorno; na origem da diferença está a pulsão do mesmo.
Mas o que nos interessa a partir de agora é ver como o mesmo pode ser diferente. As diferentes camadas que surgem de sua ação. No interior da casa de Eva Klabin, Nelson Leirner encontrou uma casa - mais uma vez as matrioshkas -; só que esta casa é diferente e ela se diferencia porque (apesar de não ter bigodes) propõe pôr em questão as relações de poder da sociedade, do poder financeiro ao poder político, das diferenças de classe, e ela pretende também não ser arte. Assim, sua ação na Fundação Eva Klabin,  se debruça também sobre a proposta do Projeto Respiração e da coleção. Torna-se um corpo que se pretende estranho e intruso, mas que refunda o sentido original do Projeto Respiração, que nunca pretendeu ser uma proposta de instalação, mas de intervenção. Talvez nenhum artista tenha aceitado de forma tão consequente a proposta do Projeto Respiração: Nelson Leirner não faz uma instalação, mas uma intervenção radical; elimina uma das salas. Transforma a Sala Inglesa em uma moradia popular.
Nesse curto período de convivência com Nelson Leirner aprendi a respeitá-lo como um místico. Explico: Gershom Scholem, em seu livro A cabala e seus símbolos, descreve o místico como aquele que é capaz de mudar o rumo das religiões porque conhece tão profundamente seus mecanismos internos que é aceito sem ser interpelado ou muitas vezes sacrificado como um mero contestador, mas como alguém que está dando um desdobramento orgânico e natural ao destino de um sentido porque está refundando o sentido original de uma religião. O místico, ao propor mudanças, mantém-se fiel à origem. Nelson Leirner adéqua-se a essa definição. Ele é um profundo conhecedor dos mecanismos do circuito das artes, das galerias aos museus e às instituições culturais, passando pelos críticos e curadores, dos salões às feiras e bienais, do marketing à divulgação, enfim, todos os meandros que envolvem esse objeto "sacralizado" que se convencionou chamar arte. Sua trajetória de mais de 50 anos de prática artística se caracteriza por desmistificar aquilo que enaltecemos como arte, indagando todas essas diferentes instâncias para provar que o que faz não é arte, mas é consagrado como um dos maiores artistas brasileiros, a ponto de, como ele mesmo diz, se quiser passar a vender cachorro-quente na esquina vão pensar que ele está fazendo um happening.  
O jogo de dados que Leirner quer jogar conosco é que ele se permite criticar e contestar o circuito das artes porque ele não moraliza a arte por conhecê-la intestinamente. A prova é o stand de um apartamento modelo montado no interior da casa-museu de Eva Klabin. Para ele não existe nem baixa nem alta cultura. Tudo se nivela no mesmo impulso de criação que para ele não é outra coisa senão o fazer, já que ele também não mistifica a criação. Ao agir dessa maneira, ele está portando-se como os místicos, que refutam  refundando o sentido profundo e original das religiões. Qual é a origem da palavra arte? A maioria atribui ao latim ars que significa habilidade ou técnica, mais por uma questão cultural da tradição greco-romana que é forte no Ocidente, mas muitos esquecem hoje que a origem vem do assírio e significa fazer, o simples fazer cotidiano, que não está longe da acepção latina. Portanto, mais uma vez Nelson, ao querer demolir, constrói, ao refundar o sentido original da palavra arte que é fazer, Nelson faz. E o que ele faz é considerado arte. Para ele o fazer define a sua ação. Para ele arte é fazer e nada além. É uma profissão como qualquer outra. Porém o conflito que surge daí é que, por mais que negue o sistema da arte, o mercado de arte não o nega como artista. Essa é uma batalha perdida de antemão, como a medicina, que é impotente diante da morte. Mas é graças à tensão desse conflito que ele construiu sua vida e sua obra.
Não poderia haver artista mais apropriado para a comemoração dos dez anos do Projeto Respiração. Ele traz com sua ação ousada, direta, crítica, lúdica, lúcida e bem-humorada um questionamento que é igual ao da proposta do projeto - o de desarmar situações convencionais e fechadas em si mesmas.
Nelson Leirner é um artista observador agudo da realidade e está sempre pronto a denunciar as instituições que permanecem cristalizadas pela inércia dos acordos sociais. Para ele o principal é poder discutir a questão do valor: valor ético, valor de mercado e valor político. Ele não está preocupado em filiar-se a nenhuma tendência. O que lhe interessa é apresentar as situações para que elas falem por si, que, como as matrioshkas, vão revelando outras camadas internas de sentido até esbarrarmos com uma situação que reverte as expectativas.  
Essa tem sido a ação de Nelson ao longo de seus mais de 50 anos de carreira em que nunca se conformou em aceitar as carapuças que quiseram lhe vestir e sempre procurou desarmá-las ou despistá-las por meio da tradição do humor sério. Salve Nelson!

Marcio Doctors