Coleção Egípcia

A coleção de antigüidades egípcias da Fundação Eva Klabin constitui-se de, aproximadamente, cinqüenta objetos reunidos pela colecionadora, juntamente com outros objetos arqueológicos de diferentes culturas e épocas.

Sem ser uma arqueóloga, mas guiada por especialistas em arte, voltou-se, no caso da coleção egípcia, para a aquisição de objetos significativos da arte de todos os períodos da história egípcia. Os objetos não são provenientes de escavações arqueológicas oficiais e, portanto, desconhecemos o seu local de origem exato.

A coleção é composta por objetos únicos no Brasil, por sua qualidade e raridade. Entre os exemplares da grande estatuária do período faraônico destaca-se a cabeça de um faraó usando o toucado nemés, um atributo que o soberano usa quando em contato com as divindades ou no Mundo dos Mortos.

Dentre os objetos funerários encontra-se uma máscara de esquife com os olhos incrustados da XVII dinastia (c. 1550-1307 a.C.) e vários outros objetos que são testemunhos do importante papel desempenhado pelos animais na religião egípcia, como o esquife para uma múmia de gato, em ótimo estado de conservação, do Período Ptolomaico - Período Romano (304 a. C. - 395 A.D.), além de amuletos com formas animais ou de divindades que combinam um corpo humano e uma cabeça de animal.

A coleção possui, também, relevos e fragmentos de decoração arquitetônica, como o belíssimo baixo-relevo de um templo representando uma deusa com corpo de mulher e cabeça de leoa, datado do III Período Intermediário (c. 1070-909 a.C.).